Início » Destaque » Quais exames um bebê precisa fazer ao nascer?

Quais exames um bebê precisa fazer ao nascer?

17 de abril de 2020

exames que um bebê precisa fazer ao nascer

Conheça os exames obrigatórios e complementares para recém-nascidos

Dentre os exames que um bebê precisa fazer ao nascer, no Brasil temos pelo menos quatro testes obrigatórios: os testes do pezinho básico, do olhinho, da orelhinha e do coraçãozinho. Além destes exames que são oferecidos pelo sistema público, existem outros testes que podem ser realizados logo após o nascimento: as versões expandidas do Teste do Pezinho, o teste de SCID e AGAMA (pesquisa de imunodeficiências congênitas) e o Teste da Bochechinha (triagem neonatal genética). Esses testes fazem parte da “triagem neonatal” que investigam doenças que, se identificadas precocemente e tratadas, podem não interferir no desenvolvimento da criança ou ter seu impacto reduzido com uma melhora significativa na expectativa e qualidade de vida.

Entenda para que servem os testes e quando eles devem ser feitos.

 

Testes Obrigatórios

1. Teste do Pezinho básico

O teste do pezinho básico investiga seis doenças: Fenilcetonúria, Hipotireoidismo Congênito, Fibrose Cística, Anemia Falciforme e demais Hemoglobinopatias, Hiperplasia Adrenal Congênita e Deficiência de Biotinidase. O teste é obrigatório para todas as crianças nascidas no Brasil e oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e sistema privados.

Em março de 2020 a toxoplasmose congênita foi incluída no teste básico pelo Ministério da Saúde, porém os hospitais públicos tem até 180 dias para incluir a doença na triagem neonatal.

2. Teste do Olhinho

O Teste do Olhinho (Teste do Reflexo Vermelho) deve ser realizado ainda na maternidade e serve para detectar doenças oftalmológicas como catarata, glaucoma  e retinoblastoma. É um teste simples que consiste na identificação de um reflexo vermelho que aparece quando um feixe de luz ilumina o olho do bebê. Ao suspeitar de alteração nesse teste, o pediatra deve encaminhar o bebê para um oftalmologista para a realização de exames confirmatórios.  Mesmo diante de um resultado normal nesse teste, o acompanhamento periódico da acuidade visual da criança deve ser mantido nos primeiros cinco anos de vida.

3. Teste da Orelhinha

O Teste da Orelhinha (Triagem Neonatal Auditiva) é feito entre 24h e 48h após o nascimento do bebê e identifica possíveis problemas auditivos. O teste consiste na produção de estímulos sonoros e na captação do seu retorno por estruturas do ouvido interno do bebê. O diagnóstico precoce é fundamental, pois quanto mais cedo for iniciado o tratamento, melhor o desenvolvimento da linguagem e adaptação social da criança.

4. Teste do Coraçãozinho

O Teste do Coraçãozinho (Exame de Oximetria de Pulso) serve para detectar cardiopatias congênitas e deve ser realizado ainda na maternidade, também entre 24h a 48h após o nascimento. Caso seja verificada alguma alteração no exame, o bebê  deve ser encaminhado para um centro de referência de cardiopatia para tratamento. 

 

Testes Complementares

1. Testes do Pezinho Ampliado e Expandido

Assim como o Teste do Pezinho básico, as versões expandidas ou ampliadas do teste rastreiam doenças graves que afetam crianças e que tem tratamento disponível. Há várias versões expandidas do teste que são oferecidas por laboratórios e hospitais da rede privada. As versões expandidas podem analisar até 60 doenças incluindo erros inatos do metabolismo e doenças infecciosas. Esse teste é realizado por meio de uma técnica chamada de espectrometria de massas em tandem (MS/MS). Resultados alterados precisam ser confirmados por exames complementares, como por exemplo, exames genéticos.

2. SCID e AGAMA

As imunodeficiências congênitas são doenças que afetam o sistema imunológico causando infecções graves e de repetição. Esse grupo de doenças é triada nos testes SCID e AGAMA que podem ser realizados a partir da mesma amostra coletada para o Teste do Pezinho. Esse exame é realizado com uma técnica chamada de PCR em tempo real e resultados positivos precisam ser confirmados por exames genéticos de sequenciamento ou de citometria de fluxo.

3. Teste da Bochechinha

O Teste da Bochechinha é uma triagem neonatal genética que investiga doenças que podem se manifestar na infância, todas com tratamento já disponível no Brasil. Para isso, analisamos a amostra do bebê com uma técnica chamada de Sequenciamento de Nova Geração, a mais moderna técnica de Genética. Essa abordagem inovadora rastreia simultaneamente várias regiões do genoma do bebê para identificar mais de 310 doenças. A análise feita direta no DNA apresenta uma grande vantagem, pois identifica o risco da doença antes mesmo de qualquer sinal clínico.

A coleta do Teste da Bochechinha também é diferente dos outros testes de triagem neonatal. Ao invés do furinho do calcanhar do bebê que caracteriza a coleta do Teste do Pezinho, a coleta do nosso teste é feita com um auxílio de um cotonete (swab) que é passado na parte interna da bochechinha do bebê. A coleta é rápida e indolor e pode ser feita assim que o bebê nasce, sem um prazo máximo, diferentemente dos testes do pezinho que devem ser realizados idealmente entre o 3º e 5º dia após o nascimento. 

O Teste da Bochechinha identifica as doenças dos testes do pezinho básico e ampliado e SCID e AGAMA, e centenas de outras doenças que não são investigadas nesses testes *.

*Doenças infecciosas e algumas formas de Hipotireoidismo Congênito não são triadas no nosso teste.

O Teste da Bochechinha

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRBR
es_COES pt_BRBR
Compre pelo Whatsapp
1
Olá, podemos ajudar?
Precisa de ajuda para solicitar o seu kit do Teste da Bochechinha? Aqui você pode tirar suas dúvidas e realizar sua compra de forma simples, rápida e segura.