Início » Doenças e Tratamentos » Doenças lisossômicas ou de depósito lisossômico

Doenças lisossômicas ou de depósito lisossômico

26 de outubro de 2021

bebe se alimentando de melancia

Doenças lisossômicas ou de depósito lisossômico

bebe se alimentando de melancia
Início » Doenças e Tratamentos » Doenças lisossômicas ou de depósito lisossômico

26 de outubro de 2021

O que são doenças lisossômicas?

Doenças lisossômicas, também conhecidas como doenças de depósito lisossômico (DDLs), são um grupo de mais de 70 doenças raras e fazem parte dos erros inatos do metabolismo (EIM).

Como um grupo, as DDLs são relativamente comuns e afetam cerca de 1 em cada 5.000 nascidos vivos. Mas individualmente as DDLs são raras, com incidências estimadas variando de 1 em 50.000 a 1 em 250.000 nascidos vivos, como na Leucodistrofia Metacromática e na Doença de Pompe, que estão presentes em até 2,5 pessoas em 100.000 indivíduos.

Em geral, as DDLs são graves, progressivas e multissistêmicas. Na maioria delas os sintomas já começam a se manifestar na primeira infância, mas também há formas da doença com início na idade adulta. 

 

Qual é a causa das doenças lisossômicas?

As DDLs são causadas por mutações em genes que codificam os diferentes tipos de proteínas presentes nos lisossomos –  compartimento celular responsável por metabolizar e reciclar moléculas como proteínas, carboidratos e gordura, por exemplo. 

Mutações em genes lisossômicos afetam a função da proteína codificada, resultando no mau funcionamento do lisossomo e no acúmulo gradual de substratos dentro dele (ou seja, ocorre um “depósito”), o que acaba levando à disfunção e morte celular. 

Em pessoas com algum tipo de DDL, enzimas que atuam nos lisossomos estão reduzidas ou ausentes, fazendo com que as substâncias a serem metabolizadas (moléculas de gordura, na doença de Fabry; ou glicogênio, na doença de Pompe) se acumulem nos lisossomos, comprometendo o funcionamento das células.

Como os lisossomos estão presentes em todos os tipos de célula, esse acúmulo tóxico de substâncias ocorre em todo o organismo, tornando a DDL uma doença multissistêmica e progressiva. 

 

Como as doenças lisossômicas podem ser herdadas?

Os DDLs são doenças monogênicas (causadas por alterações em um único gene) e a maioria é herdada de maneira autossômica recessiva, com exceção de 4 doenças:

  • MPS II: recessiva ligada ao X;
  • Doença de Fabry: ligada ao X, com manifestação de início tardio em algumas mulheres; 
  • Doença de Danon: dominante ligada ao X, com manifestação de início tardio e mais leve em algumas mulheres; 
  • Doença CLN4: formas dominante e recessiva;

 

Entenda mais sobre padrões de herança e como as doenças genéticas são herdadas.

 

Existe tratamento para as doenças lisossômicas?

Ainda não há cura para as doenças lisossômicas, mas há tratamento para a maior parte das DDLs visando o controle dos sintomas e que melhoram muito a qualidade de vida das pessoas. 

Alguns tipos de tratamentos disponíveis atualmente:

  • Terapia de Reposição enzimática (TRE)
  • Terapia de Redução de Substrato
  • Terapia gênica
  • Transplante de células-tronco

 

O diagnóstico precoce é fundamental 

Por serem doenças raras e multissistêmicas, as doenças lisossômicas são pouco conhecidas e representam um maior desafio para o diagnóstico precoce, visto que os primeiros sinais são, em geral, inespecíficos e frequentemente confundidos com doenças mais comuns.

Mesmo pacientes assintomáticos são beneficiados pelo diagnóstico e acompanhamento precoce, pois muitas alterações nos órgãos ficam ocultas até se tornarem mais graves. Quanto mais tarde o diagnóstico é feito, mais tarde o tratamento é iniciado, impactando diretamente a qualidade e expectativa de vida da pessoa.

 

Como é feito o diagnóstico das doenças lisossômicas?

A suspeita de alguma doença lisossômica é feita com base em exames clínicos e nos sintomas do paciente. 

A confirmação do diagnóstico da doença é feita pelo exame genético, capaz de detectar alterações nos genes associados à doença e identificar precisamente qual enzima está alterada.

A realização de exame genético também é altamente recomendada para pessoas que tenham histórico familiar de alguma doença lisossômica.  

 

Por que o Teste da Bochechinha é importante para o diagnóstico precoce das doenças lisossômicas?

As doenças lisossômicas ainda não são avaliadas no Teste do Pezinho básico do Sistema único de Saúde (SUS). Mas muitas delas, como a doença de Pompe e as mucopolissacaridoses possuem início dos sintomas na primeira infância e podem ser triadas ao nascimento.

Com o Teste da Bochechinha, que pode ser realizado assim que a criança nasce, a doença pode ser identificada antes do paciente desenvolver qualquer sintoma. 

Utilizamos a moderna técnica de Sequenciamento de Nova Geração (NGS) para analisar o DNA do bebê e buscar alterações nos genes associados às doenças lisossômicas.

Bebês com alto risco de desenvolver uma DDL, identificados em nosso teste, podem iniciar precocemente o acompanhamento médico e tratamento da doença. Quanto mais cedo o diagnóstico e o início do tratamento, melhor a qualidade de vida do paciente.

 

Meu filho tem suspeita de uma doença lisossômica, posso fazer o Teste da Bochechinha para confirmar o diagnóstico?

O Teste da Bochechinha é um teste de triagem neonatal.

Quando a criança (ou pessoa de qualquer idade) tem algum sintoma da doença, recomenda-se realizar um exame genético de diagnóstico para confirmar a suspeita. 

A Mendelics oferece exames para o diagnóstico de doenças lisossômicas, incluindo o Painel de Doenças Tratáveis

Converse com um médico de sua confiança e, se houver a necessidade de um exame de diagnóstico genético, entre em contato conosco!

Quer saber mais sobre as doenças lisossômicas e o Teste da Bochechinha? Deixe sua pergunta nos comentários abaixo ou entre em contato com a nossa equipe pelo telefone (11) 5096-6001 ou através do nosso site.

 

Referências

  • Lysosomal Storage Disorders – NORD (National Organization for Rare Disorders). NORD (National Organization for Rare Disorders). Published August 28, 2017. Accessed October 21, 2021. https://rarediseases.org/rare-diseases/lysosomal-storage-disorders/
  • Platt, F.M., d’Azzo, A., Davidson, B.L. et al. Lysosomal storage diseases. Nat Rev Dis Primers 4, 27 (2018). https://doi.org/10.1038/s41572-018-0025-4
  • Rajkumar V, Dumpa V. Lysosomal Storage Disease. [Updated 2021 Jul 30]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2021 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK563270/

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Examen Primer Día