Início » Destaque » AADC | Você conhece a Deficiência da Descarboxilase dos L-Aminoácidos Aromáticos?

AADC | Você conhece a Deficiência da Descarboxilase dos L-Aminoácidos Aromáticos?

23 de julho de 2021

AADC | Você conhece a Deficiência da Descarboxilase dos L-Aminoácidos Aromáticos?

Início » Destaque » AADC | Você conhece a Deficiência da Descarboxilase dos L-Aminoácidos Aromáticos?

23 de julho de 2021

Deficiência da Descarboxilase dos L-Aminoácidos Aromáticos (AADC)

 

Conheça a AADC

A deficiência da descarboxilase dos L-aminoácidos aromáticos (Aromatic L-Amino Acid Decarboxylase, AADC) é uma doença genética rara que ocorre por falhas no metabolismo das substâncias responsáveis por transmitir a mensagem dos neurônios para o corpo, os neurotransmissores, afetando a comunicação entre o cérebro e algumas células do corpo.

Os sintomas da AADC começam na primeira infância, geralmente nos primeiros meses de vida. Podem variar bastante, mas geralmente, as crianças com a doença apresentam atraso no desenvolvimento, distúrbios do movimento (como distonia e hipocinesia), crises oculógiras (movimentos anormais dos olhos), hipotonia (fraqueza muscular), suor excessivo, ptose (queda da pálpebra superior), falta de energia, dificuldade de dormir, problemas gastrointestinais entre outros sintomas. 

Como é uma doença muito rara, a prevalência é estimada em 1 pessoa em 1.000.000 de nascidos vivos, o diagnóstico da AADC costuma ser difícil e pode ser confundido com outros quadros mais comuns como paralisia cerebral, epilepsia e até autismo. 

Embora os sintomas da doença já sejam evidentes nas primeiras 10 semanas de vida, o diagnóstico da doença é feito em média somente quando o paciente já tem 3 anos e meia de idade, por isso, a importância da conscientização sobre a doença. 

Saiba mais sobre essa importante doença rara nesse artigo.

 

Qual a causa da AADC?

A causa da doença são alterações (mutações) no gene DDC, responsável por produzir uma enzima chamada AADC. 

Mutações no DDC reduzem ou eliminam a atividade da enzima AADC, resultando na falta dos neurotransmissores serotonina, dopamina, noradrenalina e adrenalina, que atuam na comunicação das células do sistema nervoso. 

 

Como é herdada?

A AADC possui padrão de herança autossômico recessivo, isso quer dizer que o bebê nasce com AADC quando herda duas cópias alteradas do gene DDC, uma do pai e outra da mãe.

Quando apenas uma cópia do gene alterado é herdada, a pessoa é chamada de “portadora”. Ela não vai ter a doença, mas pode transmitir a alteração para os filhos.

Além disso, os pais de uma criança com AADC tem 25% de chances de ter outro filho com a doença. Por isso a importância do aconselhamento genético para famílias com histórico da doença.  

 

Como é feito o diagnóstico da AADC?

A AADC é uma doença difícil de diagnosticar precocemente por ser rara (e consequentemente pouco conhecida) e devido aos seus sinais e sintomas se confundirem com outras doenças. 

A confirmação do diagnóstico da AADC é feito pelo exame genético que pode detectar alterações no gene DDC. Nesse caso, o exame de sequenciamento do gene DDC ou Painéis de Sequenciamento de Nova Geração (NGS) que incluam esse gene são indicados.

A realização do teste genético também é altamente recomendada para pessoas que tenham histórico familiar da doença.

A AADC é uma das mais de 320 doenças investigadas no Teste da Bochechinha, o teste mais avançado de triagem neonatal genética. Com esse teste, que pode ser realizado assim que a criança nasce, a doença pode ser identificada antes do início dos sintomas.

A AADC não é avaliada em outros testes de triagem neonatal, como o Teste do Pezinho básico do SUS e nem nas versões ampliadas e expandidas oferecidas pela rede privada.

Quando disponíveis em laboratórios acessíveis ao paciente, outros exames laboratoriais podem dar suporte ao diagnóstico:

 

  • Punção lombar (coleta do líquido cefalorraquidiano ou liquor): para medir os níveis das substâncias relacionadas a baixos níveis de dopamina e serotonina (L-dopa, 5-hidroxitriptofano (5-HTP), ácido 5-hidroxiindoleacético (5-HIAA), ácido homovanílico ácido (HVA), 3-O-metildopa (3-OMD))
  • Dosagem enzimática no plasma: para medir a atividade da enzima AADC.

 

Como é feito o tratamento da AADC?

Os sinais e sintomas da doença podem se manifestar diferentemente em cada pessoa, por isso, o tratamento pode variar de paciente para paciente. Atualmente a doença não tem cura, mas o tratamento pode aliviar sintomas da doença. 

Geralmente, são utilizados um conjunto de medicamentos para suprir a falta dos neurotransmissores, como agonistas do receptor de dopamina, agentes anticolinérgicos e antiepilépticos, entre outros. Além disso, é recomendado terapia ocupacional e de fala para melhorar a qualidade de vida da criança.

 

Por que o Teste da Bochechinha é importante para o diagnóstico precoce da AADC?

Por ser rara e apresentar sintomas comuns a outras doenças, o diagnóstico da AADC costuma ser difícil e demorado, ocorrendo, em média, quando a criança já tem mais de 3 anos e já apresenta sintomas graves.

Para contribuir com a identificação precoce de bebês com risco de desenvolver AADC, a doença é uma das mais de 340 doenças investigadas no Teste da Bochechinha. Assim, a mutação genética relacionada com a doença pode ser identificada antes do início dos sintomas. 

Utilizamos a moderna técnica de sequenciamento de nova geração para analisar o DNA do bebê e buscar alterações no DDC e em centenas de outros genes relacionados a doenças genéticas graves, porém tratáveis. 

Bebês com alto risco de desenvolver AADC podem iniciar precocemente o acompanhamento médico e tratamento da doença. 

Quanto mais cedo o diagnóstico e o início do tratamento, melhor a qualidade de vida da criança!

 

Meu filho tem suspeita de AADC, posso fazer o Teste da Bochechinha para confirmar o diagnóstico?

 

O Teste da Bochechinha é um teste de triagem neonatal. Quando a criança (ou pessoa de qualquer idade) tem algum sintoma da doença recomenda-se realizar um exame genético de diagnóstico para confirmar a suspeita. 

Para dar suporte ao diagnóstico da AADC, a Mendelics – laboratório desenvolvedor do Teste da Bochechinha –  desenvolveu o Programa Movimente, que oferece de forma gratuita um exame de painel de NGS que inclui 89 genes relacionados a distúrbios do neurodesenvolvimento e transtornos do movimento com início na primeira infância, incluindo a AADC. Para saber mais sobre o Programa Movimente, acesse nosso site

A Mendelics também oferece outros exames para o diagnóstico de AADC, incluindo o Painel de Doenças Tratáveis.

Converse com um médico de sua confiança e, se houver a necessidade de um exame diagnóstico genético, entre em contato conosco!

Quer saber mais sobre a AADC e o Teste da Bochechinha? Deixe sua pergunta nos comentários abaixo ou entre em contato com a nossa equipe pelo telefone (11) 5096-6001 ou através do nosso site.

 

Referências

  • https://medlineplus.gov/genetics/condition/aromatic-l-amino-acid-decarboxylase-deficiency/#causes
  • http://www.pndassoc.org/diseases/aadc.html
  • http://repositorio.chlc.min-saude.pt/bitstream/10400.17/2243/1/Acta%20Pediatr%20Port%202002_33_353.pdf
  • https://rarediseases.info.nih.gov/diseases/770/aromatic-l-amino-acid-decarboxylase-deficiency#ref_13586
  • https://aadcnews.com/gene-therapy/

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Examen Primer Día